Ads 468x60px

Labels

Labels

29 de dez de 2010

Os quatro gigantes da tecnologia que não acabaram a faculdade


Fazer faculdade não é garantia de ficar rico. Largar a faculdade, menos ainda. Mas quatro caras resolveram não chegar ao fim da graduação, e se tornaram grandes nomes da tecnologia: Steve Jobs, Bill Gates, Michael Dell e Mark Zuckerberg não terminaram seus cursos universitários.
Gates e Zuckerberg estudaram na Universidade Harvard, uma das melhores do mundo. Gates fazia matemática e largou no terceiro ano, em 1975, para gerenciar a Micro-Soft (Microsoft); Zuckerberg fazia ciências da computação, terminou o segundo ano em 2004, mas não voltou pra faculdade para cuidar do Facebook. Michael Dell resolveu largar a faculdade de medicina para cuidar de sua empresa de venda direta de PCs, que futuramente se chamaria Dell e se tornaria uma das maiores do mundo.

E Steve Jobs, dono e fundador da Apple, é que tem a história mais curiosa: ele estudou “física, literatura e poesia” na Reed College, em Portland (EUA), mas largou depois de apenas um semestre. Só que ele continuou assistindo aulas na faculdade, para acompanhar amigos e ter lugar pra dormir, além de frequentar um templo Hare Krishna para conseguir comer de graça toda semana. No ano seguinte, Jobs saiu de Portland e foi para a Califórnia; dois anos depois, ele fundou a Apple.

Sim, Apple, Microsoft, Dell e Facebook – quatro das maiores empresas de tecnologia do mundo – são comandadas por caras com ensino superior incompleto (ou foram, no caso da Microsoft). Isso não é nenhum demérito para eles, pelo contrário: a habilidade técnica e o espírito empreendedor destes caras – além dos contatos que eles fizeram na faculdade – garantiram um futuro bilionário para eles. E pra que se formar, quando você pode ficar rico e tirar um diploma honorário depois?

Confira a lista completa da Info, com os três ricaços brasileiros que não acabaram a faculdade. Eike Batista, que quer trazer montadoras da Apple para o Brasil, é um deles.

0 comentários:

Postar um comentário

CÓDIGO DO LINKWITHIN